close

*De azuis e etc...a Poesia é.* | (page 5 of 66)

home

*De azuis e etc...a Poesia é.*

umolharazul.blogspot.com

Expiação*

 
Expiação*
 
 
Expiação*
 
quando amanheço o dia se foi
lágrimas cantam entre meus cílios
entre cavidades do coração...
sobrevivi palavra num deserto
abracei-me para não fugir
-esvaio-me cobre, ouro e estanho-
 
cálice na borda dos lábios
não há borbulhas e afagos
apenas sons vazios
rostos estranhos
na circunferência do abandono
-eu fui de mim-
 
karinna*

estrela invisível*

 
 
 
estrela invisível*
 
 
estrela invisível*


sofro os olhares não dados
e o céu apenas traz um som
-despovoado-


colho-te estrela invisível
acarinho-te as pontas doloridas
e sussurro-te- és prece de vida-


as certezas se foram com os raios
e a tempestade acalmou a morte
sou apenas agora um dardo
o peito - lar ambíguo
a flecha que nunca se move
em sete vezes sete sentidos...


Karinna*

Vontade*

Vontade*
 
 
Vontade*
 


  deixa que a minha lua te abrace
depois do teu sol acontecer
deixa que meus sonhos alados
dancem nus no teu céu
nos braços dos versos estrelados
 


  -se for a tua vontade-
 


permite que meu beijo
pouse sonâmbulo
nos umbrais das tuas pestanas
como beijos de estrelas
embalados no querer-se uno
por, nem que seja, um minuto
 


  se for a tua vontade
deixa-me aninhar-me na tua pele
enrodilhada de ternuras
onde o amor se espalhe
entre lençóis de desejos
quando os corpos e as almas
apenas obedecem
a paixão e os nossos segredos...
 


  -se for a nossa essa vontade-
 


 Simone Karinna*

Debrum*

Debrum*
 
 
Debrum*
 
trago um sonho
uma mescla de ternuras
essas que pintam olhares...
que atam sussurros
que colhem beijos em brisas...
 
trago um sonho
uma lucidez tênue sem malícia
embargada de emoção
de mãos de areias mornas
súplicas silentes de carícias...
 
trago um sonho
um verbo absurdo
contornado de estrelas
como lembranças não vividas
num luar na praia- fabuloso diadema-
 
deixo um sonho e a(guardo)
espera que se exaure
alma que se diz:
por favor, não tardes em vir
pois meu olhar cansa-se
e o mar chora sem ti...
 
-ofereço-te um sonho-
 
Simone Karinna*

absurdos*

 
absurdos*
 
absurdos*
 
 
é dor branca e se há sofrer
trago-te na linha do infinito
do absurdo inequívoco
na densa bruma dos olhares rasgados
das sombras doridas
de um absurdo não vivido passado
 
 
viro-me do avesso nos teus líquidos
guardados em fogo puro
como brasas em litígios
as mãos distendidas denunciam
há mais que o percebido
há mais que o esquecido
nas palavras que se dão
nas lágrimas que padeço
no molhado do meu sorriso.
 
 
karinna*

Nus*

 
Nus*
 
 
Nus*
 
Tu e eu
Um veio de desatino
Aromas e sais...
Um laço em fita
Magnetismo que ata
Na dobra, puros metais
-verso e pele, doçuras totais-
 
Num abraço pleno
  Lábios e línguas
Um colo
Regato da volúpia
Arde vontade
Uma rima em riste pulsa
-lírica luxúria-
 
Nas palavras
Somos trança
Nos atos
Somos dança
 
No saber nos dizemos
Acesos no dia
Apenas flor e brisa
 
-criamos a nossa poesia-
 
Karinna*

Ouro e Prata*

 
Ouro e Prata*

 
 
Ouro e Prata*

   Na face
Luas de mil eras
No pratear das notas
Diluídas, sândalo na pele.

Nos olhos
Sóis de paraísos
No suspender
Do perfume amadeirado
De beijos em transe.

Puros e pagãos
Divindades
Feitura de ouro
Corpo a corpo.

-vida que sangra o perfume-

A dor da delícia fende-se
De amor em êxtase.

Karinna*

Incursões Íntimas*

Incursões Íntimas*

 
Incursões Íntimas*
 
Então me defendo
E me renego.
Depois me abro
E me incinero
E renasço no desespero....
Então me alteio
No horizonte esvaeço
E meu corpo no limite percebo.
Então me entrego
E me acendo
Aprendo e reinvento o que absorvo.
Então me distancio
Depois me aproximo
E na busca compartilho.
Assim me conduzo
Entre vinda e começo
Integro e recrio o que aprendo.
E de tempo em tempo
Cresço e amadureço
E na gana de ir adiante
O sonho é sempre meu recomeço.
 
KARINNA*

Geladeira de Inox*

Geladeira de Inox*

Dias atrás estava eu na cozinha degustando um café e lendo o jornal, saboreando um momento que muito me apraz, o estar na minha casa, quando contemplando a geladeira, pensei:
-Como eu queria uma geladeira de inox...
Num átimo minha mente fervilhou em conexão com minha alma......
Sempre gostei de cozinhas grandes. Desde a segunda casa que residi- foram quatro casas no total- minhas cozinhas eram imensas, acolhendo a família entre afetos, cheiros e sabores.
Contudo eu sonhava com uma geladeira de inox... fim de semana olhava na ZH as ofertas, comecei a usar a internet e pesquisava modelos e preços, todo folder de loja de eletrodomésticos que chegava meus olhos iam direto para as geladeiras...as de inox.
Quantos sonhos de vida sublimei nesse único sonho!
Tinha um marido bem sucedido, excelente pai e provedor, um filho saudável, maravilhoso, empreendedor e responsável, meus pais estabilizados em uma vida tranquila, todos com saúde. Exerci a profissão que escolhi como missão, fui esposa dedicada, mãe extremosa, fiz pós graduação na área que sempre amei. Tinha uma vida confortável, mas não tinha uma geladeira de inox.
Até que nos mudamos para esse apartamento... reformamos, aumentamos, é evidente, a cozinha...e finalmente, compramos a geladeira de inox.
E, definitivamente, não fui, nem sou, mais feliz. A cozinha ficou um primor! Todos os eletros em inox combinando...porém um sonho material realizado jamais suplanta o que a alma anseia e carece.
E mesmo com uma geladeira de inox na cozinha, vejam só, eu tive câncer, meu casamento acabou, meu pai adorado se foi...
Sim, houve um tempo em que pensei que tendo uma geladeira de inox complementaria minha vida, me faria mais feliz.
Hoje, meus sonhos são tão puros e humanamente realizáveis...não preciso cortar gastos, fazer pesquisas, calcular prazos...
Hoje meus sonhos são da alma e prontamente realizáveis num sorriso compartilhado, numa xícara fumegante e acolhedora de café, num aperto de mão, num abraço de mãe, num beijo de filho, numa risada gostosa da amiga, numa caminhada, numa leitura de uma poesia...
Sim, houve um tempo que eu quis uma geladeira de inox.


Simone Karina Kirschner da Costa- maio de 2015.

teimosia*

teimosia*
 
 
teimosia*
dou-te minha ausência
pois não me penso sem ti
salgo-te as mãos
com as lágrimas sentidas
vãos dos meus olhos doridos
enquanto permitem-me
-ainda-
ser matéria e espírito

dou-te meus sorrisos
pois aquém as melodias da morte
os lábios curvam-se ante teu fascínio

dou-te minha alma rasgada
pelo verso entretecido no húmus da noite
que famigerada, louca e abusada
busca-me entre linhas de prata
fios de luas bandidas
entre estrelas apagadas
e galáxias esquecidas

a palavra-teimosa- pulsa frágil vida.

karinna*
Expiação*estrela invisível*Vontade*Debrum*absurdos*Nus*Ouro e Prata*Incursões Íntimas*teimosia*

Report "*De azuis e etc...a Poesia é.*"

Are you sure you want to report this post for ?

Cancel
×